Município da Covilhã
Tlf:. 275 330 600
Jan.17.2018

Com o objetivo de incentivar e estimular a produção literária e promover a defesa e enriquecimento da Língua Portuguesa, o Município da Covilhã instituiu, em 2014, o Prémio Literário “António Alçada Baptista – Cidade da Covilhã”.

Trata-se de uma homenagem ao escritor António Alçada Baptista, nascido na Covilhã a 29 de Janeiro de 1927 e que faleceu em dezembro de 2008.

Este prémio, instituído bienalmente, destina-se a galardoar um autor português, ou de país de língua oficial portuguesa, da melhor obra no género de ficção narrativa, nas categorias de romance, novela e/ou conto, e visa estimular a criação literária, em especial, o aparecimento de novos autores.

Ao autor vencedor é atribuído um prémio pecuniário de 1.500 euros e a publicação de 500 exemplares da obra.

Edição 2014/2015

1º Prémio – João Morgado, “Índias . Vasco da Gama, o herói imperfeito da História de Portugal”.

Menção Honrosa – Alexandre Dale, “Dois descarrilamentos e um olho de vidro”.Com o objetivo de incentivar e estimular a produção literária e promover a defesa e enriquecimento da Língua Portuguesa, o Município da Covilhã instituiu, em 2014, o Prémio Literário “António Alçada Baptista – Cidade da Covilhã”.

Trata-se de uma homenagem ao escritor António Alçada Baptista, nascido na Covilhã a 29 de Janeiro de 1927 e que faleceu em dezembro de 2008.

Este prémio, instituído bienalmente, destina-se a galardoar um autor português, ou de país de língua oficial portuguesa, da melhor obra no género de ficção narrativa, nas categorias de romance, novela e/ou conto, e visa estimular a criação literária, em especial, o aparecimento de novos autores.

Ao autor vencedor é atribuído um prémio pecuniário de 1.500 euros e a publicação de 500 exemplares da obra, que é apresentada publicamente a 29 de janeiro, data de nascimento do escritor António Alçada Baptista.

Edição 2014/2015

1º Prémio – João Morgado, “Índias . Vasco da Gama, o herói imperfeito da História de Portugal”.

Menção Honrosa – Alexandre Dale, “Dois descarrilamentos e um olho de vidro”.