Municpio da Covilh
Tlf:. 275 330 600
Nov.21.2019
PROJETOS CULTURAIS

Este projeto pretende, através de exposições temporárias, material informativo e outras homenagens, dar a conhecer a vida e obra dos Bispos nascidos na Covilhã: D. Diogo Seco, D. Diogo da Silva, D. Cristóvão de Castro, D. Domingos Barata, D. Frei Ângelo da Boa Morte, D. José do Patrocínio Dias, D. José Garcia, D. Manuel Damasceno da Costa, D. José Moreira Pinto e D. José Valério da Cruz.

Trata-se de recordar o papel de nove altos dignatários da Igreja, entre o séc. XV e XX, que marcaram a nossa história pela sua ação pastoral, social, política e cultural.

D. JOSÉ DO PATROCÍNIO DIAS – Conhecido pelo bispo-soldado foi cónego capitular da Sé da Guarda e professor no seminário daquela cidade. Em 1917 alistou-se como capelão voluntário no exército sendo incorporado para combater na Flandres onde é nomeado chefe dos capelães militares. Em 1922 foi sagrado Bispo de Beja e aí desenvolveu uma intensa atividade pastoral com destaque para a área da assistência social. Recebeu várias condecorações como na Grã Cruz de Guerra, a Legião de Honra e a Torre e espada. Fundou a ordem feminina das Oblatas do Divino Coração.

Em 2015, o Município da Covilhã prestou justa homenagem a D. José do Patrocínio Dias, assinalando os 150 anos sobre a sua morte. A homenagem prolongou-se em 2016, com a apresentação da obra do Padre Luís Fernandes, “D. José do Patrocínio Dias – o homem, o militar e o Bispo restaurador da diocese de Beja (1884-1965)”, no dia 17 de Maio de 2016.

D. MANUEL DAMASCENO DA COSTA – Originário de uma família de industriais da Covilhã fez os estudos primários e secundários no colégio de S. Fiel. Cursou Teologia em Coimbra onde seu tio Manuel de Jesus Lino era Lente. Na diocese de Viseu é nomeado secretário do Bispo, diretor do Colégio do Sagrado Coração de Maria e diretor do Circulo Diocesano do operariado católico. Foi nomeado e sagrado, Bispo da Diocese de Angra em Março de 1915.

Em Fevereiro de 2017 assinalam-se os 150 anos do nascimento de D. Manuel Damasceno da Costa. À semelhança do que já vem acontecendo, foi-lhe prestada justa homenagem através de um vasto programa de ações, com missa solene presidida pelo Bispo da Guarda, exposição de carácter biográfico, em estreita colaboração com a Diocese de Angra e família.

D. CRISTÓVÃO DE CASTRO - Sagrado Bispo da Guarda em 1550, havia até aquela data sido um fervoroso defensor da criação da diocese da Covilhã. Era filho do Alcaide Mor da Covilhã, D. Rodrigo de Castro. Na Sé da Guarda deixou a sua marca através do conhecido retábulo que encomendou a João de Ruão.

D. DIEGO SECO – Entrou no colégio de Jesus a 23 de Março de 1590 vindo a ser Mestre de Latim e retórica. Em 1618 desempenha, em Roma, o cargo de revisor-geral dos livros da Ordem de Jesus. Em 1622 é nomeado e sagrado Bispo titular de Niceia. Foi o autor da vida de Santo Antão Abade, Ano Santo, Arrábida Mons, entre outros.

D. FREI DOMINGOS BARATA – Nasceu na Erada e ingressou na ordem da Santíssima Trindade. Foi calificador do Santo ofício, Doutor e Lente da Teologia na Universidade de Coimbra, tendo sido eleito Bispo de Portalegre em 22 de Fevereiro de 1707.

D. FREI ÂNGELO DE NOSSA SENHORA DA BOA MORTE – Nascido na Covilhã em 1777 tomou o hábito Franciscano no Convento de Nossa Senhora dos Anjos em Lisboa. Nomeado Bispo de Elvas pelo Infante D. Miguel em 1832 viu-se a braços com a perseguição Liberal, tendo-se retirado para Lisboa em 1834. Somente em 1841 lhe é restituído por carta régia o governado da diocese.

D. JOSÉ VALÉRIO DA CRUZ – Nascido em 1749, tornou-se sacerdote, na congregação de S. Filipe de Néry. Foi nomeado Bispo de Portalegre por D. João VI. A ele se deve a ampliação das enfermarias do Hospital de Portalegre. Foi eleito deputado às cortes ordinárias pelo círculo da Guarda em 1822 e par do reino em 1826.

D. JOSÉ DA CRUZ MOREIRA PINTO – Nasceu no Tortosendo em 1887. Estudou no Seminário de S. Vicente da Guarda onde em 1908 concluiu o curso de Teologia. Em 1913 seguiu para a Universidade de Lovaina onde se matriculou no curso de ciências político-sociais. Em 1928 é nomeado e sagrado Bispo de Viseu. Foi nomeado Bispo da Diocese de Viseu pela Santa Sé a 9 de maio de 1928. Foi em Viseu que desenvolveu ações notáveis como a formação de seminaristas, a fundação do Seminário Menor e o Seminário de Viseu, entre outras. Morreu, em Viseu, a 12 de Novembro de 1964.

D. JOSÉ DOS SANTOS GARCIA – Nasceu na Aldeia de Souto, no Concelho da Covilhã. Membro da Sociedade Portuguesa das Missões Católicas Ultramarinas, foi ordenado sacerdote em 25 de Julho 1938. Foi professor e Vice-reitor entre 1938 e 1946. Partiu para Moçambique como superior da Missão de Mutuóli e em 1953 como superior regional. Em 05 Abril de 1957 foi eleito Bispo de Porto Amélia, data em que foi criada a Diocese, tendo recebido a sagração episcopal em 16 de Junho do mesmo ano.