Municpio da Covilh
Tlf:. 275 330 600
Nov.13.2019

A ACTUALIDADE DA COVILHA - BREVE VISÃO

A maior obra construída pela cidade da Covilhã, deste modo o seu património industrial, único no País, testemunho da evolução técnica da indústria de lanifícios.

À semelhança das restantes regiões do País, a Covilhã sofreu profundas alterações a partir da década de 60, com a emigração e a guerra colonial, pelo que a estrutura social se alterou. A população concentrou-se nas áreas mais desenvolvidas e urbanas e verificou-se um envelhecimento gradual da população.

Um dos pontos de viragem na Cidade foi a abertura do Instituto Universitário da Beira Interior, posteriormente Universidade da Beira Interior, desenvolvendo-se desde o seu início licenciaturas na área dos têxteis.

Este acontecimento traduziu-se numa maior dinamização social e económica da Grande Covilhã, nomeadamente no que respeita à entrada de um número significativo de jovens numa área onde a população se encontrava envelhecida, no aparecimento de um segmento de consumidores mais exigente e na inevitável influência que a Universidade teve e tem na preparação de recursos humanos qualificados.

A atividade industrial dos lanifícios, outrora realizada por um número extenso de unidades fabris, concentrou-se em unidades de tamanho superior e de maior dimensão económica e produtiva.

Atualmente cerca de 70% da produção nacional de lanifícios, realizada na Covilhã, sendo o valor das exportações de 30 milhões de contos anuais e o investimento desta indústria, nos últimos três anos, rondou os 10 milhões de contos. A grande maioria dos investimentos está relacionada com a modernização do aparelho produtivo e implementação de sistemas mais eficazes de produção.

As restantes atividades industriais, comerciais e de serviços tomaram ao longo dos anos uma posição secundária. A mão-de-obra foi durante muitos anos quase exclusivamente utilizada pela indústria de lanifícios, que ao se modernizar e concentrar libertou um grande número de recursos humanos.

Estes dois fatores, aliados à despreocupação com a qualificação e fixação dos recursos humanos mais qualificados, criaram dois problemas de difícil resolução: não existem atividades alternativas desenvolvidas por forma a recuperar e reajustar a mão-de-obra libertada e está, muito especializada e pouco qualificada.

O grande desafio da Covilhã é a capacidade de compreender as vocações e limitações da região, criando atividades alternativas e incentivos para a fixação dos recursos humanos.