Município da Covilhã
Tlf:. 275 330 600
Out.22.2019
17-09-2019

COVILHÃ ARRANCA ANO ESCOLAR COM MAIS APOIO SOCIAL E ESCOLAS RENOVADAS


As escolas do município da Covilhã assinalaram esta semana o arranque do ano letivo 2019/ 2020.
O novo ano escolar apresenta como novidade as várias intervenções em espaços escolares, com salas renovadas, novo mobiliário (mesas, cadeiras e quadros), equipamento informático e material didático. Estas intervenções permitiram melhorar substancialmente a vivência das crianças nos estabelecimentos de ensino.
«Num contexto em que as autarquias estão a assumir novas responsabilidades na área da Educação, o Município tem reforçado de forma substancial a intervenção nas escolas do concelho para poder dar resposta às necessidades de uma escola pública que nos deve orgulhar a todos», afirmou o Presidente da autarquia. Vítor Pereira sublinhou ainda o facto de «as melhorias não se ficarem apenas pelas obras mas também pelos novos conteúdos de enriquecimento curricular. Através do projeto municipal “Eu sou Mais” as crianças vão poder ter contacto com atividades de Ciência Divertida, Robótica, Estimulação Sensorial, Musica e Cidadania, reforçando desta forma, novas componentes extras curriculares.
Na área social a Câmara da Covilhã diminuiu os valores de comparticipação financeira suportados pelas famílias para utilização dos serviços da componente de prolongamento de horário, quer no ensino pré-escolar, quer no 1º ciclo do ensino básico, que agora também passa a ter a gestão do Município. Estes serviços visam assegurar o acompanhamento e a supervisão das crianças, a dinamização de atividades, antes e depois do horário escolar e ainda durante as interrupções letivas e férias escolares, nos casos em que os Pais não possam assumir essa responsabilidade.
Assim, tendo por objetivo garantir a igualdade de oportunidades de acesso à educação e reforçar as medidas de uma maior equidade nas políticas educativas, a Câmara Municipal reduziu os valores praticados em função dos escalões de rendimento das famílias, sendo que as crianças beneficiárias do escalão 1 da Segurança Social continuam isentas do pagamento da mensalidade e nos restantes escalões houve reduções que variam entre os 23% e os 33%.
Entre outras alterações, salientam-se, também, a definição de um número mínimo de 10 crianças para o funcionamento, no estabelecimento, dos referidos serviços de apoio e o valor mensal fixos para as comparticipações das famílias.