Município da Covilhã
Tlf:. 275 330 600
Set.17.2021
Notícias
Altice, Microsoft e HPE firmam parceria. Centro de dados da Covilhã acolhe oferta de ‘cloud’ híbrida inédita em Portugal
15-04-2021

Altice, Microsoft e HPE firmam parceria. Centro de dados da Covilhã acolhe oferta de ‘cloud’ híbrida inédita em Portugal

Os serviços em causa são fornecidos pela Microsoft Azure, uma plataforma da gigante tecnológica norte-americana especializada no uso de aplicações e serviços em cloud. O controlo dos dados é responsabilidade do ‘data center’ da Altice e o apoio técnico especializado é da HPE. A Altice Portugal anunciou esta quarta-feira o lançamento da primeira oferta de cloud híbrida no mercado português, que é suportada pelo Azure Stack Hub da Microsoft que ficará alojado no centro de dados da Altice, na Covilhã. A oferta para o segmento empresarial é fruto de uma parceria entre a dona da Meo com a Microsoft Portugal e com a Hewlett Packard Enterprise (HPE). O Azure Stack Hub consiste num conjunto de serviços em cloud (núvem), que funcionam num modelo ligado ou desligado da cloud. Os serviços em causa são fornecidos pela Microsoft Azure, uma plataforma da gigante tecnológica norte-americana especializada no uso de aplicações e serviços em cloud. Ou seja, com esta parceria as empresas portuguesas, clientes da Altice, da Microsoft e da HPE, poderão aceder aos serviços Azure, sendo que o tratamento e controlo dos dados será feito em Portugal, a partir do centro de dados da Covilhã. A partir do data center da Altice, na Covilhã, os responsáveis das três empresas salientaram tratar-se de “um projeto inédito no país, que combina uma cloud pública e uma cloud privada”. A diretora-geral da Microsoft Portugal, Paula Panarra, afirmou que a parceria permite aos clientes da Microsoft “abranger um novo portefólio de cenários e serviços”. “Inserindo-se na estratégia de cloud híbrida da Microsoft, esta parceria permite levar os nossos serviços onde os clientes mais precisam deles, seja em data center local, na cloud pública ou em ambas, por forma a acelerar a transformação digital e contribuir para o sucesso da economia portuguesa”, acrescentou. Já o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, sublinhou a importância do novo serviço para “reforçar, de forma distintiva, o posicionamento” da telecom no segmento empresarial. O gestor destacou, ainda, a importância de ser o data center Altice na Covilhã, “o maior centro de processamento de dados em Portugal e um dos maiores da Europa”, a acolher o Azure Stack Hub. “É também estratégico para a consolidação da Altice Empresas enquanto provider cloud na entrega de soluções líderes no mercado”, disse. Por sua vez, o diretor-geral da HPE para Portugal, Carlos Leite, que também é o head of partner sales para o Sul da Europa, afirmou que a nova oferta representa “o melhor dos dois mundos”. De acordo com o anunciado pelos reesposáveis da Altice, Microsoft e HPE, o Azure Stack Hub oferece uma rápida resposta (baixa latência), devido ao processamento de dados a nível local, e possuiu um portal multicloud integrado para visão e controlo transversal. isto é, oferece diferentes serviços a partir do mesmo fornecedor, sendo que a contratualização dos serviços é simplificada com uma fatura única. Acresce o apoio técnico especializado da HPE, disponível a qualquer hora. Fonte:https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/altice-microsoft-e-hp-firmam-parceria-centro-de-dados-da-covilha-acolhe-oferta-de-cloud-hibrida-inedita-em-portugal-726397?fbclid=IwAR2c3_ebGdG7LAUyhRZ7mmNyNQJO6LgXWRdmsOJDjYBCT593HkLPZx3KUko
14,8 MILHÕES PARA “ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO DA COVILHÔ
29-03-2021

14,8 MILHÕES PARA “ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO DA COVILHÔ

A Câmara Municipal aprovou hoje, em reunião ordinária pública do executivo, a Estratégia Local de Habitação da Covilhã (ELHC). Com um investimento global de 14,8 milhões de euros, um variado conjunto de programas e candidaturas, 6 anos previstos para a sua implementação, esta Estratégia permite aplicar no Concelho da Covilhã uma nova geração de políticas sociais no âmbito da habitação.  Vítor Pereira, Presidente do Município, destaca a grande importância da ELHC, que será colocada em prática “com a ambição e pretensão de resolver os problemas habitacionais do Concelho da Covilhã”. Para o autarca, “esta iniciativa vai melhorar e dar maior expressão ao nosso parque habitacional social, permitindo ainda alargar a sua intervenção noutros segmentos”.  A ELHC, enquanto instrumento estratégico em matéria de política de habitação à escala local, pretende oferecer uma resposta integrada e partilhada aos problemas habitacionais da Covilhã. Visa resolver situações de maior carência habitacional e, adicionalmente, potenciar dinâmicas de reabilitação urbana, com uma maior regulação do mercado de habitação. Os objetivos finais passam pela melhoria da qualidade de vida da população, pelo reforço da coesão social e territorial, pela promoção da reabilitação urbana e do arrendamento. A Nova Geração de Políticas de Habitação (NGPH), aprovada pelo Governo em 2018, assume a dupla missão de garantir o acesso universal a uma habitação adequada, através de um alargamento do âmbito de beneficiários e da oferta do parque habitacional com apoio público, e, simultaneamente, de criar as condições necessárias para privilegiar a reabilitação urbana e do edificado na promoção das políticas públicas de habitação. Estamos perante uma nova abordagem que coloca o foco nas pessoas (e não nas habitações) e na qualidade do habitat.  É neste contexto que surge o “1.º Direito” – Programa de Apoio ao Acesso à Habitação, instrumento para dar resposta às pessoas que vivem em situação de grave carência habitacional. A Estratégia Local de Habitação é, por sua vez, o instrumento de planeamento de iniciativa municipal que resulta do programa “1.º Direito”. Como tal, encontra-se especialmente direcionada para apoiar as famílias que vivem em condições habitacionais indignas e que não dispõem de capacidade financeira para suportar o custo de acesso a uma habitação adequada.  Com origem no programa “1.º Direito”, a ELHC inclui um diagnóstico das necessidades habitacionais do Concelho, um levantamento do património habitacional do Município e um conjunto de medidas a realizar. Nesse processo, foram identificadas 221 famílias em situação de carência habitacional, sendo 183 elegíveis para apoio do “1.º Direito”. As famílias que são proprietárias apresentarão candidaturas individuais para a reabilitação das habitações em condições de insalubridade, enquanto nas restantes situações deverá ser a autarquia a encontrar soluções. O levantamento do património habitacional revelou que a Câmara da Covilhã é proprietária de 690 fogos de habitação social, 646 atualmente ocupados e 44 livres (14 prontos a habitar e 30 a necessitarem de obras). Foram ainda identificados 8 imóveis municipais devolutos que têm uma função habitacional, 11 que podem ser adaptados para residência e mais 6 que são propriedade de entidades parceiras ou Juntas de Freguesia. Quanto às medidas a realizar, destaque para a reabilitação dos imóveis do parque habitacional da Câmara (recorrendo ao financiamento do programa “1º Direito”); para a criação de mais 32 fogos, através da sua reabilitação; uma componente de apoio às famílias com carência habitacional e aos mais idosos; a criação de uma Bolsa Municipal de Arrendamento Acessível com 72 fogos, dirigidos quer para a população residente com rendimentos intermédios, quer para a população estudantil, que tem grande peso no Concelho.  A Câmara Municipal da Covilhã vai criar um gabinete dedicado à implementação e monitorização da ELHC, prestando informação e acompanhamento dos beneficiários. Em síntese, a Estratégia Local de Habitação da Covilhã tem 3 prioridades estratégicas: Apoiar, para garantir uma resposta habitacional digna para as famílias em situação mais extrema de carência; Atrair, para promover mecanismos de facilitação de acesso à habitação, de incentivo geral à revitalização urbana e ao fomento da atratividade residencial; Habitar, para garantir o cumprimento dos objetivos e potenciar dinâmicas complementares que favoreçam a sua implementação.
ROYAL PRIME INVESTE 29 MILHÕES EM ALOJAMENTO NA COVILHÃ
02-02-2021

ROYAL PRIME INVESTE 29 MILHÕES EM ALOJAMENTO NA COVILHÃ

A Câmara Municipal da Covilhã anuncia um forte investimento da Royal Prime na cidade, que resultará na construção de um empreendimento de 267 unidades de alojamento e na construção de 100 apartamentos junto ao Pólo de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior. A área bruta de construção estimada para a concretização destes empreendimentos ultrapassa os 25.000 metros quadrados. O investimento nestes ativos imobiliários rondará os 29 Milhões de euros e posicionará a oferta de alojamento na cidade da Covilhã ao nível dos melhores padrões de qualidade das mais conceituadas cidades universitárias da Europa. Destes empreendimentos farão parte diversas instalações complementares, designadamente: piscina interior, ginásio, sala de eventos, biblioteca, cafetaria, lavandaria e sala de cinema/Sala de Jogos. João Alegria, membro da administração da Royal Prime, afirma que “estes investimentos permitirão consolidar a operação da Royal Prime na cidade da Covilhã, em complemento ao investimento em reabilitação urbana já aqui desenvolvido nos últimos 3 anos. Para além destes investimentos, apostamos na Covilhã para incrementar um dos nossos pilares estratégicos: o desenvolvimento de parcerias com empresas e agentes económicos locais, nomeadamente no sector imobiliário e construção”. O Presidente do Município, Vítor Pereira, aponta este importante investimento como “mais uma prova de que o Concelho da Covilhã continua a ser atrativo para quem quer investir na área do alojamento, da reabilitação urbana e em várias outras áreas”. Prevê-se que os trabalho de construção arranquem durante o segundo semestre deste ano.  
Mais de 10 M€ de investimento aprovados para reabilitação urbana
29-10-2020

Mais de 10 M€ de investimento aprovados para reabilitação urbana

A Covilhã ultrapassou os 10 milhões de euros de investimento aprovados através do Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas (IFRRU), avança o DiarioImobiliário, acrescentando que a autarquia que cita dados da estrutura de gestão daquele programa. Segundo o DI, a autarquia lembra em comunicado enviado à Agência Lusa, que o IFRRU 2020 tem como objetivo financiar investimentos em reabilitação urbana (públicos e privados) e que a Covilhã surge “numa posição de relevo” entre os concelhos com mais candidaturas aprovadas. “Na Covilhã as candidaturas aprovadas ultrapassaram já os 10 milhões de euros de investimento. Este desempenho coloca a ‘cidade neve’ a liderar o maior volume de investimento em curso no interior do país e no 15.º lugar a nível nacional”, é referido. A autarquia sublinha igualmente a “posição destacada face a várias cidades da região Centro, designadamente Viseu, Santarém, Leiria, Guarda ou Castelo Branco. “Os números apresentados revelam a capacidade ímpar deste concelho do interior em atrair investimento privado, designadamente numa área que se constitui como uma das maiores preocupações dos municípios”, acrescenta. Por outro lado, aponta a autarquia, as candidaturas aprovadas também vão contribuir para reforçar a estratégia local de reabilitação e revitalização urbana, “consubstanciada na criação de emprego, na atracão/fixação de novos residentes e com foco na vertente turística”. Citado na nota de imprensa, o presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira, afirma que os dados agora revelados “provam que existe um ambiente favorável ao investimento na Covilhã”. O IFRRU é um instrumento financeiro de mobilização das dotações aprovadas pelos Programas Operacionais Regionais (POR) e do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR) do Portugal 2020. Com uma capacidade de financiamento de 1.400 milhões de euros, o IFRRU 2020 disponibiliza empréstimos em condições mais favoráveis face às do mercado, para a reabilitação integral de edifícios, destinados à habitação ou a outras atividades, incluindo as soluções integradas de eficiência energética mais adequadas no âmbito dessa reabilitação. Notícia: Rádio Clube da Covilhã 
MUNICÍPIO DA COVILHÃ INAUGURA CENTRO DE INCLUSÃO SOCIAL
12-10-2020

MUNICÍPIO DA COVILHÃ INAUGURA CENTRO DE INCLUSÃO SOCIAL

A Câmara Municipal da Covilhã inaugura a 20 de outubro, pelas 11h30, no âmbito das Comemorações dos 150 anos de Elevação da Covilhã a cidade, o novo Centro de Inclusão Social.  As intervenções de restauro e reabilitação, orçadas em cerca de 780 mil euros, permitem dar uma nova vida ao edifício do antigo liceu da Covilhã que se transforma no novo Centro de Inclusão Social. Este novo espaço multifuncional localizado no “coração” da cidade tem como principal intuito estimular a inovação, o empreendedorismo e a igualdade de oportunidades nas áreas de ação social. O Centro passará a ser a sede dos Serviços Sociais da Câmara Municipal, da Covilhã, bem como acolher os serviços municipais referentes às áreas da Ação Social, da Saúde, da Educação e da Cultura, para além de albergar ainda um conjunto de sedes de Associações de Solidariedade Social locais. Deste modo, impulsiona-se o diálogo, a cooperação e a prestação de novos serviços sociais junto dos cidadãos da Covilhã.  A reabilitação deste edifício tem como objetivo criar espaços de trabalho, atendimento e formação, pretendendo ainda estimular a cooperação entre a sociedade civil, a autarquia, os parceiros sociais e os agentes económicos, com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para a importância da inovação social. Para o Presidente da autarquia, Vítor Pereira “o Centro de Inclusão Social tem a virtude de ser um edifício emblemático no centro histórico da cidade, agora requalificado, que permitirá albergar os serviços de ação social da autarquia e promover sinergias e empreendedorismo na área social. Vamos colocar este Centro ao serviço da comunidade e das associações”. O autarca afirma ainda que o Centro de Inclusão Social “vai ser um ponto de encontro virtuoso para a sociedade civil, as Associações e a Câmara Municipal”. A aprendizagem coletiva e colaborativa, ligada à criação de negócios, serão também o foco deste edifício multifuncional.  Integrado na Área de Reabilitação Urbana da Covilhã, o Centro de Inclusão Social é uma aposta clara da Câmara Municipal da Covilhã no desenvolvimento sustentado e na promoção de novas atividades no centro histórico da cidade, que afirmam a cidade da Covilhã como uma Cidade Solidária, Inclusiva e Inovadora.  
CCDR APROVA FINANCIAMENTO DE LABORATÓRIO TECNOLÓGICO INOVADOR NA COVILHÃ
29-06-2020

CCDR APROVA FINANCIAMENTO DE LABORATÓRIO TECNOLÓGICO INOVADOR NA COVILHÃ

O projeto PARKURBIS Lab, liderado pelo Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã, em cooperação com dois dos seus principais acionistas, a Universidade da Beira Interior (UBI) e a ALTICE Lab, vai ser uma realidade, uma vez que a CCDR Centro aprovou já a sua candidatura a fundos europeus.  O PARKURBIS Lab será uma estrutura única na região centro e com características inovadoras a nível nacional, que congregará: um laboratório de prototipagem, vocacionado para o desenvolvimento de novas soluções nas áreas da Eletrónica, Internet das Coisas (IoT) e Indústria 4.0 (I4.0); um espaço de co-work e um espaço de Living Lab empresarial. Esta combinação tem como objetivo disponibilizar um espaço para o desenvolvimento de novas soluções tecnológicas, potenciadas através de um programa de ação baseado na co-criação, na transferência e teste de tecnologias, no feedback do mercado e na articulação entre indústria, academia, governação, cidadãos. O espaço de laboratório de prototipagem assegura equipamentos e competências para que novos empreendedores, alunos do ensino superior e investigadores possam desenvolver projetos de investigação e produtos inovadores. Este espaço estará também disponível para as empresas desenvolverem protótipos de novos produtos, projetos de cooperação com entidades do sistema de I&D, adquirir serviços que contribuam para o seu desenvolvimento e competitividade tecnológica, no âmbito de uma estratégia Indústria 4.0. Estas vertentes vêm complementar a oferta de equipamentos, infraestruturas e serviços disponibilizados pela UBI, estabelecendo ainda uma importante ligação com o Centro de Cloud Computing localizado na Universidade. “O PARKURBIS Lab será instalado no piso 0 (zero) do edifício do Parkurbis e ocupará uma área de, aproximadamente, 500m2. Este espaço irá potenciar atividades de Investigação, Desenvolvimento e inovação (I+D+i) e o desenvolvimento de novas soluções (produtos, serviços ou processos), importantes no crescimento da capacidade de inovação das empresas. Da auscultação do tecido empresarial resultou já uma forte demonstração de interesse na utilização destas valências”, afirma Jorge Patrão, Presidente do Concelho de Administração do Parkurbis.  Para Vítor Pereira, Presidente da Câmara Municipal da Covilhã, “o Parkurbis Lab representa um importante e estratégico investimento de cerca de 300 mil euros, financiado a 85% por fundos comunitários, numa infraestrutura única na região centro e inovadora a nível nacional, que irá fomentar a criação de sinergias entre empresas (quer empresas estabelecidas, quer novas startups), Academia (UBI) e Sociedade Civil”.  
MUNICÍPIO DA COVILHÃ CRIA REDE DE MIRADOUROS
29-10-2019

MUNICÍPIO DA COVILHÃ CRIA REDE DE MIRADOUROS

A Câmara Municipal da Covilhã vai construir miradouros e remodelar alguns dos já existentes no concelho. Estas intervenções visam a criação de uma Rede de Miradouros e enquadram-se no plano de Conservação, Proteção e Desenvolvimento do Património Natural e Cultural, que conta com apoio financeiro através da Prioridade de Investimento 6.3 do Pacto da CIMBSE - Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela. O Miradouro da Varanda dos Carqueijais será o primeiro a ser requalificado, estando prevista a conclusão da empreitada em setembro de 2020. Pretende-se dota-lo de características atrativas que levem os viajantes e os turistas a parar e a desfrutar de uma paisagem única sobre a Covilhã e a Cova da Beira. O Miradouro do Covão será também alvo de uma intervenção que irá valorizar o espaço com a colocação de sinalética indicativa e explicativa da paisagem, a criação de condições de estacionamento e de permanência no local e a instalação de mobiliário urbano adequado à função do miradouro. A obra será concluída até dezembro de 2020. Serão construídos dois novos miradouros, um na Nave de Santo António e outro no Alto dos Livros. O primeiro surgirá na zona dos Piornos, com acesso a partir da EN339, junto ao Centro de Limpeza da Neve. O novo Miradouro da Nave de Santo António pretende potenciar o turismo de natureza, dotando-o de condições de atratividade para que quem ali se desloque usufrua das melhores vistas que o local proporciona. Prevê-se a abertura ao público em dezembro de 2020. A outra infraestrutura a construir localiza-se na cumeada da zona do Alto dos Livros, com acesso a partir da EN339. O futuro Miradouro do Alto dos Livros pretende levar os viajantes e os turistas a parar e a desfrutar de uma paisagem rica sobre os vales da Cova da Beira e das Cortes do Meio, apostando na valorização paisagística. Está prevista a abertura ao público em dezembro de 2020.