Município da Covilhã
Tlf:. 275 330 600 (Chamada para a rede fixa nacional)
Notícias
CÂMARA DA COVILHÃ ENTREGA CONTRATOS-PROGRAMA DE APOIO ÀS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO
08-04-2024

CÂMARA DA COVILHÃ ENTREGA CONTRATOS-PROGRAMA DE APOIO ÀS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO

A Câmara Municipal da Covilhã procedeu, este sábado, à entrega dos contratos-programa de apoio a associações do concelho, numa cerimónia que também visa reconhecer publicamente a importância que as coletividades têm no desenvolvimento local. Este ano, os contratos abrangem 109 instituições. São estabelecidos no âmbito do Regulamento de Apoio ao Associativismo, que registou um aumento de 40 mil euros, face a 2023, chegando aos 360 mil euros, distribuídos pela linha de apoio à “Atividade Regular” (240 mil euros) e pela linha de apoio ao “Investimento e Aquisição de Equipamentos” (120 mil euros).  A Autarquia também disponibiliza apoios à “Atividade Pontual Supra Concelhia”, cujas candidaturas podem ser apresentadas em qualquer altura do ano e que fazem com que a verba total destes apoios chegue aos 400 mil euros, como explicou, durante a sessão, o Vereador com o pelouro do Associativismo, José Miguel Oliveira.  Enaltecendo o trabalho das coletividades e agradecendo o empenho aos dirigentes, o Vereador também destacou que estes apoios visam constituir-se como mais um incentivo à atividade do movimento associativo do concelho.  Apontou ainda que a atribuição das verbas resulta do mérito mostrado pelas associações nas candidaturas, num processo claro e transparente e cujas regras e critérios estão previamente estabelecidos no regulamento, que entrou em vigor em 2018 e que veio pôr fim a situações de desigualdade. Tal como vincou, é o trabalho de cada associação que define o apoio a atribuir. José Miguel Oliveira destacou ainda que o Associativismo é uma clara aposta do Município Covilhanense e lembrou que, desde 2018, a verba global das três linhas já passou de 285 mil euros para os atuais 400 mil. Por outro lado, anunciou que a Autarquia vai agora avançar com a revisão do Regulamento, num processo que será participado e que tem como objetivo introduzir melhorias.  A cerimónia de entrega dos contratos-programa contou ainda com a atuação da Desertuna.  
COVILHÃ COMEMORA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS DE ABRIL A ABRIL
18-03-2024

COVILHÃ COMEMORA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS DE ABRIL A ABRIL

Exposições, conferências, espetáculos, arte pública, ações educativas, eventos literários, homenagens, edições e espetáculos marcam o programa comemorativo dos 50 Anos do 25 de Abril na Covilhã, que foi apresentado este sábado na Câmara Municipal. Resultado de uma articulação entre o Município Covilhanense e a Comissão das Comemorações, que conta com 18 personalidades de reconhecido mérito em diferentes áreas, estas celebrações também integram o contributo de instituições, entidades e juntas de freguesia do concelho e vão prolongar-se durante um ano, ou seja, de abril a abril. Trata-se de um programa “ambicioso”, que visa celebrar a história e contribuir para que aqueles que já nasceram em democracia possam perceber a razão pela qual essa democracia tem de ser preservada, como explicou o Presidente do Município, Vítor Pereira. “Celebrar Abril é isso mesmo: Reconhecer, homenagear e agradecer”, referiu, depois de ter recordado os “audazes” que durante a ditadura ousaram “desafiar o silêncio” e “rasgar mordaças”. Sublinhando que celebrar a Revolução dos Cravos “não é um dever ou uma obrigação”, mas sim “uma forma de luta”, Vítor Pereira também sublinhou que o programa tem o “firme propósito” de abarcar todos e deixou um repto aos Covilhanenses para que se apropriem do programa. “Queremos que todas e todos se apropriem dele. Queremos que todas e todos se juntem a nós. Que se apropriem de cada uma das ações e iniciativas”, afirmou. Ideias partilhadas pela Presidente da Comissão das Comemorações, Elisa Pinheiro, que sublinhou que a evocação do 25 de Abril de 1974 deve destinar-se mais a perspetivar o futuro do que a glorificar o passado. “Cinquenta anos depois do 25 de Abril, propomos com estas comemorações interrogar os ecos atuais do tempo inaugurado a partir do final da ditadura portuguesa”, disse, reiterando que o programa covilhanense pretende constituir-se como um “documento, aberto, flexível, participado e dinâmico”.  No que concerne ao programa, especificou as ações delineadas, muitas das quais destinadas a crianças e jovens em idade escolar, para que estes possam valorizar os valores conquistados com a Revolução. Entre estas está a realização de um jogo, a ação “Abril vai à Escola” com protagonistas da Resistência, ou o concurso “Jovens Criativos e Participativos Honrar o 25 de Abril”, entre outras.  Haverá ainda uma componente de festa e celebração com a realização de espetáculos e homenagens, bem como uma aposta na arte pública que deixará uma marca na cidade.  São disso exemplo, a instalação “Cravos de Abril”, pelo artista Luís da Cruz, a inaugurar no dia 25 de abril de 2024, ou o conjunto escultórico de homenagem, que visa homenagear todos os que lutaram, resistiram e sofreram pela liberdade e que vai ser inaugurado no dia 20 de outubro. Edições, lançamento de livros e as publicações também englobam o programa, com destaque para a obra “Lutaram e Sofreram por Abril: A Resistência no Concelho da Covilhã de 1926 a 1974”, que permitiu o levantamento histórico do nome de mais de 500 presos políticos com origem na Covilhã. Outro dos destaques passa pela Sessão Solene da Assembleia Municipal, que será realizada no dia 25 de abril e que será precedida por uma arruada com distribuição dos cravos.  Antes disso, na noite de 24 e madrugada de 25 de abril, sendo que antes da meia-noite vai decorrer uma grande concentração popular de homenagem às vítimas da PIDE, com a projeção dos nomes de ex-presos políticos do concelho. À meia-noite, lugar para os discursos, fogo-de-artifício e “Grândola Vila Morena”, seguindo-se, já depois da meia-noite, a projeção de Imagens de Abril” e um espetáculo musical com a os Sons do Minho. Para o dia 23 de abril está agendado outro momento marcante com a Arruada Literária pela Liberdade, que terá leituras de textos alusivos aos valores de abril por protagonistas e ex-presos políticos ou familiares destes. Segue-se um espetáculo musical com canções de Abril interpretadas por Covilhanenses. No dia 27 de abril, o concerto “Abril Cristina Branco Canta José Afonso”. O programa terá agendas mensais que vão sendo divulgadas antecipadamente. A sessão de sábado contou ainda com a uma conferência/debate com a presença de João Soares, Carlos Matos Gomes e José Manuel Saraiva.  
CÂMARA DA COVILHÃ REFORÇA COMBATE À VESPA ASIÁTICA
15-03-2024

CÂMARA DA COVILHÃ REFORÇA COMBATE À VESPA ASIÁTICA

A Câmara da Covilhã está a implementar uma Estratégia de Combate à Vespa Velutina, espécie predadora das abelhas melíferas que tem registado um aumento muito significativo no território. Em 2023, no concelho da Covilhã, o Serviço Municipal de Proteção Civil registou e desativou 368 ninhos, o que representa um aumento de cerca de 400% face aos 85 identificados em 2022. Em mais 95% das situações, os ninhos foram exterminados no prazo de 48 horas, sendo que o objetivo traçado para este ano é o de garantir que 100% dos ninhos são exterminados até 48 horas após a comunicação e que a maioria seja num período ainda mais curto. Os números e a estratégia de combate foram apresentados, esta quarta-feira, numa sessão que contou com a presença de vários apicultores e de Carlos Filipe, técnico especialista em métodos de combate à vespa Asiática. Presente na sessão, o Vice-Presidente do Município, José Armando Serra dos Reis, salientou que a Autarquia que tem procurado “agir na hora”, de modo a contribuir para minimizar este problema que afeta sobretudo a atividade dos apicultores. Centrada na prevenção e na monitorização, a estratégia tem como objetivo tentar controlar a proliferação da vespa asiática no território, apostando na instalação e distribuição de armadilhas para tentar capturar o máximo possível de vespas fundadoras e evitar o aumento de ninhos. Foi também criada uma plataforma própria para fazer o registo de todos os casos identificados, o que permitirá saber com exatidão os locais onde há casos identificados e a progressão de cada situação, como explicou o Coordenador Municipal da Proteção Civil, Luís Marques. Este responsável reiterou ainda a importância de que as pessoas não tentem exterminar ninhos por meios próprios, desde logo, para que não corram riscos e porque se a intervenção não for devidamente executada pode contribuir para a proliferação dos casos.  O alerta pode ser dado através do endereço de email: protecao.civil@cm-covilha.pt  ou dos contactos telefónicos 275 330 600/ 924 754 508.  
PARTICIPAÇÃO DA COVILHÃ NA BTL SUPERA EXPECTATIVAS
05-03-2024

PARTICIPAÇÃO DA COVILHÃ NA BTL SUPERA EXPECTATIVAS

Com stand próprio e uma aposta diferenciadora, a presença da Covilhã na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) superou as expectativas, tendo permitido estabelecer inúmeros contactos profissionais e conquistado milhares de visitantes ao longo de todo o certame. Ao longo dos cinco dias, apresentou-se com o mote “Covilhã tem tempo para ti”, num convite aos turistas para que tirem tempo, deixando o stress do dia-a-dia para trás e partindo rumo a este território onde encontram uma oferta variada e onde podem viver experiências marcantes e únicas. Uma oferta que provocou muito interesse entre os visitantes. Foram muitos os que procuraram saber mais e deixaram fortes sinais de que a Covilhã será certamente um dos destinos que vão colocar na agenda para visitas futuras. Para o Vereador com o pelouro do Turismo, José Miguel Oliveira, o balanço desta participação é “extremamente positivo”, dado que todos os objetivos que tínhamos delineado foram largamente alcançados. “Registámos uma recetividade muito grande e um forte entusiasmo nas pessoas relativamente às nossas propostas. Houve mesmo quem nos tenha deixado a garantia de que a sua próxima viagem vai ser à Covilhã. Naturalmente que cá estaremos para os receber e, temos de o admitir, isso deixa-nos muito satisfeitos e permite-nos fazer um balanço extremamente positivo desta participação”, afirma. José Miguel Oliveira aponta ainda que a forte adesão registada vem confirmar que o Município está a seguir o caminho certo, numa estratégia que visa consolidar a marca, mantendo o destino como um dos mais procurados a nível nacional e contribuindo para aumentar o tempo médio de permanência no território. “Esse é o grande desafio que temos agora pela frente e estou certo que a forte aposta que estamos a fazer contribuirá para que os nossos resultados continuem a melhorar”, aponta. Motivos não faltam para que a escolha dos turistas seja mesmo a Covilhã, tal como foi lembrado pela embaixada covilhanense durante este certame. Apostando numa personalidade jovem, moderna, fresca, com vida, movimento, cor e muito design, o stand da Covilhã mostrou que a cidade e o concelho têm uma oferta turística que abarca natureza, gastronomia, cultura, artes, tradições, história e património. E foram muitas as propostas que a Covilhã levou para a BTL, designadamente a ligação única à Serra da Estrela, passando pelas paisagens deslumbrantes e pela natureza que proporciona experiências ímpares, até à gastronomia e tradições, sem esquecer a classificação como Cidade Criativa da UNESCO em Design ou ainda a história, o património, a arte urbana e a indústria têxtil. Aspetos diferenciadores que, de resto, também estiveram bem patentes na conceção do próprio stand, que foi desenhado tendo como princípio um conceito muito gráfico, que recorre a formas circulares simples com cilindros e círculos, que remetem para engrenagem dos teares e dos movimentos incansáveis que marcaram e continuam a marcar a história da cidade. Ao centro, um painel cheio de cor e vida, numa expressão artística da utilização de um fio de lã e que até poderia ser uma mais das obras de arte urbana que estão patentes nas paredes da Covilhã.  Imagens que também estão presentes nos conteúdos multimédia e no álbum fotográfico que compõe as paredes exteriores deste stand, que também vai ser apresentado na Covilhã.  
COVILHÃ RUMA À BTL COM STAND PRÓPRIO
23-02-2024

COVILHÃ RUMA À BTL COM STAND PRÓPRIO

Entre os dias 28 de fevereiro e 03 de março, a Covilhã vai rumar à Bolsa de Turismo de Lisboa, onde volta a apostar num stand próprio para promover o destino turístico e consolidar a campanha “Covilhã tem tempo para ti”. Depois do sucesso verificado na participação da FITUR em Madrid, onde o pavilhão covilhanense foi visitado por milhares de pessoas, a Câmara da Covilhã mantém a estratégia de se apresentar em nome próprio no maior certame de turismo do país.  Apostando numa personalidade jovem, moderna, fresca, com vida, movimento, cor e muito design, o stand da Covilhã vai mostrar que a cidade e o concelho têm uma oferta turística diferenciada que abarca natureza, gastronomia, cultura, artes, tradições, história e património. Com base no lema “Covilhã tem tempo para ti”, aproveitará ainda para desafiar/convidar aqueles que por estes dias vão passar pela BTL a tirarem tempo para eles próprios, visitando um território que tem tempo para receber e que proporciona dias de descoberta e experiências únicas, vividas ao ritmo de cada um e sem stress. E são muitas as propostas que a Covilhã leva para a FIL, designadamente a ligação única à Serra da Estrela, passando pelas paisagens deslumbrantes e pela natureza que proporciona experiências ímpares, até à gastronomia e tradições, sem esquecer a classificação como Cidade Criativa da UNESCO em Design ou ainda a história, o património, a arte urbana e a indústria têxtil. Pontos de interesse e fatores de atração que vão ser apresentados num espaço multidisciplinar que foi desenhado tendo como princípio um conceito muito gráfico, que recorre a formas circulares simples com cilindros e círculos, resultando num espaço que facilita a mobilidade dos visitantes.  A opção de desenhar todo o stand recorrendo a círculos representa a engrenagem dos teares e dos movimentos incansáveis que marcaram e continuam a marcar a história da cidade. Espelha o passado que se transformou em presente e que tece o futuro. É uma escolha que também vai ao encontro do selo “Covilhã Cidade Criativa do Design”, dado que o espaço aposta numa imagem de modernidade, disruptiva e criativa e numa linguagem moderna que aposta em novas aplicações para a tradição, mas sem esquecer a identidade. É o caso do padrão patente no centro do espaço, que tem como base uma expressão artística da utilização de um fio de lã e que até poderia ser uma mais das obras de arte urbana que estão patentes nas paredes da Covilhã.  Assente num conceito multidisciplinar, este stand tem três paredes exteriores, que são uma espécie de álbum fotográfico e conta ainda com vários conteúdos multimédia que vão proporcionar uma experiência imersiva ao visitante.  É simultaneamente um espaço promocional e de encontros de trabalho, contando com duas zonas de reunião, visto que o Município encara a participação neste evento como mais uma oportunidade para a Covilhã se apresentar a operadores turísticos, empresários da área e público em geral. O objetivo passa por potenciar ainda mais a elevada procura que o concelho já regista e que o levam a estar entre os destinos mais procurados do país, afirmando a estratégia que tem vido a ser seguida ao nível da promoção turística para conquistar diferentes mercados, tal como aponta o Vereador com o Pelouro do Turismo, José Miguel Oliveira.  
CÂMARA DA COVILHÃ ACABA COM AMIANTO NA HABITAÇÃO SOCIAL  
22-02-2024

CÂMARA DA COVILHÃ ACABA COM AMIANTO NA HABITAÇÃO SOCIAL  

Investimento no setor da habitação até 2026 vai ultrapassar os 20 milhões de euros, com financiamento dos fundos do PRR. A Câmara Municipal da Covilhã já não tem nenhum prédio de habitação social com cobertura de amianto, resultado das intervenções que estão a ser realizadas no âmbito da Estratégia Local de Habitação (ELH), a qual conta com um investimento total previsto para os próximos anos superior a 20 milhões de euros. A informação foi avançada esta quinta-feira, dia 22 de fevereiro de 2024, pela Vereadora com o pelouro da Ação Social, Regina Gouveia, durante a visita a uma empreitada que está a ser realizada num prédio do Bairro da Biquinha, exatamente o último do parque social municipal que ainda tinha cobertura em amianto e que já foi substituída. “Já não temos mais nenhum edifício de habitação social com cobertura de amianto”, sublinhou Regina Gouveia, frisando que as obras neste prédio também englobam trabalhos de eficiência energética, nomeadamente com o revestimento de paredes exteriores e a substituição de caixilharias. Trata-se de um edifício que não sofria qualquer melhoramento desde a década de 1990 e que conta com 12 fogos, nove pertencem ao parque habitacional do Município e outros três são propriedade privada, sendo que, neste caso, o investimento da Autarquia é de cerca de 200 mil euros. Globalmente, o Município tem em curso obras no valor de 1,3 milhões de euros, sendo que da lista também fazem parte intervenções na Rua do Souto, no Tortosendo, no Bairro do Rodrigo ou na Rua Viriato.  “Estamos a procurar resolver problemas que já tinham décadas”, salientou a Vereadora, acrescentando que estão em fase de concurso várias outras empreitadas, num valor que ronda os sete milhões de euros. Já concluídas estão duas empreitadas, que decorreram no Bairro da Alâmpada, na Boidobra, e que abrangeram um total de 20 fogos e que implicaram um investimento de cerca de 600 mil euros. Valores que são financiados por fundos do PRR, no âmbito do programa 1.º Direito, e aos quais se junta ainda o investimento superior a 10 milhões de euros respeitantes à construção de 89 frações para rendas a preços acessíveis no programa da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) ou o investimento conseguido no âmbito da Bolsa Nacional de Alojamento Urgente e Temporário (BNAUT). Assim, e tendo em conta o alargamento do programa da CIM-BSE, a ELH da Covilhã implicará um investimento global de 20 milhões de euros, até 2026. “Ao mesmo tempo que investimos, melhoramos condições e aumentamos a resposta na área da habitação”, apontou Regina Gouveia, frisando a importância que esta aposta tem para criar melhores condições de habitabilidade e também para alargar a oferta para rendas a custos controlados.